Para paraenses crise política agrava situação econômica do País

(Foto: Divulgação)

Madson Maia mudou-se para Brusque em Santa Cantarina no inicio de 2015, o município é conhecido como a “cidade dos tecidos”, por ser um dos maiores polos têxteis do Brasil. Na época, a crise parecia não ter chegado na região, o que fez o paraense deixar Ananindeua na região metropolitana de Belém, no Pará, para o sul do País em busca de novas oportunidades. Segundo ele, em poucos dias na nova cidade, conseguiu um emprego em uma indústria de moda fitness e se encantou com a segurança, tranquilidade e as ofertas de trabalho na região.

Mas logo os efeitos da crise econômica chegaram, segundo Maia, a indústria foi a que mais sentiu, fechando vários pontos de emprego. “Uma das maiores empresas daqui faliu, provocando um alto número de desempregados”, relata. O paraense ainda conta que teve que mudar alguns hábitos. “Passei a ser mais cauteloso com os gastos, diminuindo o consumo e cortando o que dava”, comenta.

Para Madson Maia, os vários escândalos de corrupção fazem o Brasil perder a credibilidade, dificultando a recuperação econômica. “Dinheiro de obras importantes para o desenvolvimento do País acabam indo para o bolso de poucos afortunados que não estão nem aí para o povo”. O paraense não demonstra otimismo com o governo interino de Michel Temer (PMDB) e declara que o pmdbista não resolverá a situação econômica. “Não acredito que irá mudar muita coisa, na verdade, teria que tirar todos os políticos de lá e fazer uma ‘limpeza’ geral”, protesta.

O estudante Matheus Acácio, morador do município de Garrafão do Norte na região nordeste do estado do Pará, atribui a atual crise ao governo da Presidente Dilma Roussseff (PT), afastada em 12 de maio pelo senado por até 180 dias. “A crise econômica está atrelada a vários fatores, entre eles, a má gestão, a corrupção e a falta de ética”, declara. Matheus ainda demonstra preocupação com a crise política, para ele, isso pode atrapalhar a recuperação econômica do Brasil . “A sociedade está descrente na política e nos políticos, e isso é preocupante para a recuperação do País. Por conta do rombo de mais de R$170 bilhões de reais nas contas públicas deixadas pela presidente Dilma, o governo provisório vai precisar rever conceitos, fazer uma auditoria em todos os órgãos e tentar contornar a situação do País, que vive com recessão e desemprego”, opina.

Por Madson Sousa

 

Paula Simplício fala sobre o potencial Turístico e Econômico de Garrafão do Norte na semana de lançamento da sua pré-candidatura

(Foto: Divulgação)

O Município de Garrafão do Norte, na região nordeste do estado, completou no último dia 10 de maio, 28 anos de emancipação politica. Com uma população de aproximadamente 25 mil habitantes, a cidade enfrenta problemas encontrados em várias regiões do País. Em ano eleitoral, os pré-candidatos ao cargo de prefeito do Município, discutem esses temas e como superar essas dificuldades. Ana Paula de Carvalho ou Paula Simplício como é conhecida, é pré-candidata pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS) e falou sobre essas problemáticas e do potencial econômico da região.

Para a pré-candidata, o setor turístico e cultural da cidade precisa de uma atenção especial e que devem ser explorados. “Precisamos trazer de volta uma identidade própria e valorizar o que é nosso, com uma política pública integrada de cultura, lazer e esporte o que nos proporcionaria um leque de opções para a juventude” e lembrou ainda de uma conversa com um empresário que se encantou com as belezas naturais da cidade. “Certa vez acompanhando um empresário numa visita ao município, estivemos no Argola, ele saiu apaixonado falando em um hotel estilo chalés e um restaurante rural, que atrairia investimentos e turismo para a região”.

Segundo o último censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Garrafão do Norte possui mais de 16 mil pessoas vivendo na zona rual, o que corresponde  a mais da metade da sua população. A pré-candidata, Paula Simplício, falou sobre a situação das vicinais que ligam essas comunidades a sede do Município e em parcerias para melhorar as condições dessas estradas. “Através da União e Estado, fortalecendo o agricultor através de qualificação e apoio técnico para acesso a linhas de crédito, para que haja uma menor dependência do poder público e manutenção constante, que reduz o custo” e ressaltou a importância de equipamentos de boa qualidade e do papel do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais como meio de integração entre o gestor e os anseios das comunidades. “Com equipamentos e uma boa equipe, conseguimos potencializar e ampliar resultados e também com outras instituições, como por exemplo, o Sindicato de Trabalhadores Rurais, como instrumento de capacitação e meio de comunicação com a gestão, imagino que o trabalho integrado seria muito próspero para todos.”

Diante do atual momento politico do País, Paula falou sobre corrupção na administração pública e que esse é um problema sério e que deve ser combatido. “A sociedade civil está cansada, não aguenta mais tantos escândalos e desperdício de recursos públicos, afinal isso custa vidas, custa educação dos nossos filhos. Precisamos resgatar a credibilidade da classe política, buscando uma maior aproximação com o povo, apresentando propostas e idéias novas, trazendo de fato uma renovação político e ideológica”. A pré-candidata falou como acabar com essa prática criminosa. “A melhor forma de banir a corrupção é buscando diariamente dar exemplos e punir os que perpetuam essa prática. A coisa pública precisa ser tratada com seriedade e responsabilidade e é papel do gestor dar essa nova cara numa administração através de atos e exemplos”.

Paula Simplício falou ainda sobre a situação econômica do País, que têm afetado vários municípios. “Para tentarmos superar essa crise, não existe uma receita mágica, são necessárias medidas para contenção de gastos e buscar outras formas de captar investimentos. Atrair capital privado, instituir parcerias público/privadas, incentivas medidas que gerem renda com uma menor dependência do poder público, mas sempre sob o olhar atento de uma gestão”, afirmou.

Para a moradora do bairro Bela Vista, Maria Raimunda Meireles (31), a falta de emprego, de saneamento básico e de iluminação pública, são um dos principais problemas da cidade, para ela, que está desempregada e depende do Bolsa Família, é preciso uma atenção do poder público para geração de empregos e o compromisso de retomar obras importantes para a qualidade de vida da população. “O problema é a falta de emprego, que é uma preocupação não só minha, mas de muitas pessoas que conheço, isso sem falar da falta de [uma boa] iluminação pública, que acaba tornando o bairro mais perigoso. É triste ver obras como a do hospital, a creche, o sistema de água encanada, todos parados”, critica.

A pré-candidata, Paula Simplício, falou sobre a situação dessas obras e afirmou que é preciso empenho do gestor, firmando parcerias e cobrando a conclusão. “Toda obra estruturante e de grande porte são prioridade, devem ser tratadas como tal, seja pela necessidade de desenvolvimento local, seja pela possibilidade de integração regional como no caso do Hospital ou ainda do Consórcio intermunicipal de resíduos sólidos, no qual Garrafão faz parte”.

O lançamento oficial da pré-candidatura de Paula Simplício será no dia 4 de Junho, próximo sábado, a partir das 11h da manhã no clube Leo Som, bairro das pedrinhas.

por Madson Sousa

‘Me sinto um lixo’, diz jovem vítima de estupro coletivo

Foto: Reprodução (O Globo)
(Foto: Reprodução (O Globo)

Uma confusão se formou na portaria de um condomínio na Zona Oeste do Rio no fim da manhã desta sexta-feira. Militares do Corpo de Bombeiros tentavam atender à solicitação da mãe da adolescente estuprada por 33 criminosos numa comunidade do Rio para que acalmassem a filha, que estava bastante nervosa.

Ao mesmo tempo, vizinhos de condomínio tentavam impedir uma entrevista com a família ao lado da piscina. No fim, já no apartamento da família, desabafos deram o tom da conversa.

Aos 16 anos, mãe de um menino de 3, a jovem disse que o que mais a incomoda neste momento é o preconceito.

— Me sinto um lixo. O estigma é o que está me doendo mais. É como se dissessem ‘a culpa é dela. Foi ela que estava usando roupa curta. Foi ela que quis ir para lá’. Eu vi isso no Facebook. Eu queria que as pessoas soubessem que não é culpa da mulher. Não tem como alguém culpar uma vítima de roubo, por exemplo — disse.

A jovem disse que um dos estupradores a procurou para pedir desculpas.

— Ele veio me pedir desculpas. Mas eu disse. Isso não tem perdão.

A mãe dela, que disse ser psicóloga, quer mudar com a família para outro estado e disse que vai manter sigilo. Ela contou que a filha tem um trauma não resolvido desde que o pai de seu filho, um homem que era traficante numa comunidade próxima, morreu.

Fonte: ORM News

“Precisamos da união de todos” afirma a pré-candidata Edilma Alves

 

(Foto: Divulgação)

A pré-candidata a prefeitura de Garrafão do Norte, na região nordeste do Pará, Edilma Alves (PSB), vai para sua segunda disputa eleitoral. Em 2012 obteve 47,04% dos votos válidos e acabou derrotada. Na eleição daquele ano, Francisco Chaves Franco (PMDB), foi reeleito com 50,47% dos votos, uma diferença muito pequena para sua adversária.

Agora, Edilma lança novamente seu nome, prometendo fazer um governo de participação popular e de realização de mudanças. A pré-candidata afirmou que têm ouvido muito a população e isso a motiva a continuar. “Ouço muitos relatos, sobre a situação de nosso município, por cada canto que passo, olhando no olho de cada um, e isso tem me motivado bastante na minha caminhada”, contou.

Para Edilma, a cidade não deve ter apenas uma prioridade, mas ressaltou que o carro-chefe da economia da região é a agricultura e que o setor deve receber uma atenção importante. “Eu vim da agricultura e sei que quem trabalha no campo precisa de apoio para produzir melhor, e esse será um de nossos compromissos, o incentivo a agricultura família e industrial, melhorando assim a economia de nosso município” destacou.

Diante da atual crise econômica que passa o País, Edilma se mostrou preocupada com a situação financeira de Garrafão do Norte e como a atual administração deixará as contas da cidade. “Caso sejamos escolhidos pelo povo, iremos enfrentar graves problemas deixados pelas administrações passadas” e concluiu dizendo que é preciso de união para enfrentar esses desafios. “Precisaremos, mais do que nunca, da união de todos os garrafoenses de bem para saber gerir os recursos, lidando com o aumento de responsabilidades e atribuições. Buscaremos gerir com transparência, começando um novo ciclo de governo, com a participação popular”.

Sobre o processo eleitoral, a pré-candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB), disse que o município é maior que qualquer disputal politica. “Garrafão do Norte não merece brigas politicas/partidárias, nossa história de luta e perseverança é maior que todos nós, é muito maior que uma eleição”, finalizou.

Por Madson Sousa

Termina a greve dos rodoviários em Belém

image
(Foto: Divulgação)

Foi decidido, na noite desta terça-feira (24), o fim da greve dos rodoviários na Região Metropolitana de Belém (RMB). A decisão veio após assembleia dos rodoviários realizada na Praça do Operário, em São Brás. 

O encontro dos trabalhadores ocorreu após a reunião entre os sindicatos dos rodoviários e do sindicato patronal, realizada no Tribunal Regional do Trabalho (TRT/8ª Região). 

A reunião no Tribunal durou, aproximadamente, cinco horas e meia e teve participação do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belém, o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Ananindeua e Marituba e o Sindicato das Empresas de Transportes e Passageiros de Belém (Setransbel).

Mais cedo, a desembargadora Francisca Formigosa propôs um aumento de 11,37% aos rodoviários. O aumento proposto para a categoria será linear, ou seja, no salário, tíquete e na clínica dos rodoviários.

Os rodoviários pedem reajuste salarial de 15%, aumento no ticket alimentação de R$ 465 para R$ 600 e o aumento da clínica médica de R$ 229 para R$ 350.

DECISÃO

De acordo com o Sindicato dos Rodoviários, a maioria dos trabalhadores decidiu pelo fim da greve temendo as multas, de R$ 100 mil por dia, o dicídio coletivo e até o aumento das horas trabalhadas que poderiam passar das atuais sete diárias para oito.

A assembleia decidiu por aceitar a proposta de 9,83% de reajuste, calculado pela reposição da inflação.

Houve também o acordo pelo aumento de salário de motoristas para R$ 1733,29 e do cobrador R$ 950,29. O vale alimentação da categoria ficou em R$ 510,38.

RETORNO

Ainda de acordo com o sindicato, ficou decidido que os ônibus voltam a circular normalmente a partir das 4h desta quarta-feira (25).

Fonte: Diário online

MPF diz que propina era ‘modelo de negócio’ e Dirceu levou R$ 1,7 milhão

image
(Foto:Divulgação)

A 30ª fase da Lava Jato prendeu dois sócios de uma empresa de fachada. Ex-ministro era beneficiário da propina paga no esquema na Petrobras.

O procurador do Ministério Público Federal (MPF) Roberson Pozzobon afirmou nesta terça-feira (24) que pagar propina para obter contratos com a Petrobras era tido por empresários como um “modelo de negócio”. O ex-ministro José Dirceu foi apontado como beneficário de parte dos R$ 40 milhões em propina investigados na 30ª fase da Operação Lava Jato. Ele teria ficado com R$ 1,7 milhão.

“Quem primeiro faz a corrupção? Quem oferece ou quem pede? Nesse caso ficou muito claro que os empresários pagaram propina para prosperar”, disse o procurador em entrevista coletiva.

Na 30ª fase, foram presos preventivamente, isto é, sem prazo para sair, Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique de Oliveira Macedo. Eles eram sócios da Credencial, uma construtora de Sumaré (SP) apontada pelo MPF como empresa fachada, que servia como intermediária para repasses de propina aos beneficiários do esquema de corrupção.

RESUMO DA 30ª FASE
A operação foi chamada de “Vício”, em referência às formas “viciadas” de contratação pelo estado.

– Objetivo: corrupção, organização criminosa e lavagem de ativos.
– Mandados judiciais: dois mandados de prisão preventiva, 28 de busca e apreensão (16, segundo o MPF) e nove de condução coercitiva
– Presos preventivos: Flávio Henrique de Oliveira e Eduardo Aparecido de Meira, donos da empresa Credencial.
– O que descobriu: uso de contratos fraudulentos com fornecedora de tubos que atingiram R$ 5 bilhões para pagamento de propina. Foram R$ 40 milhões em vantagem indevida.

Além de Meira e Macedo, que já tinham mandado de prisão expedidos pelo juiz Sergio Moro, a Polícia Federal (PF) prendeu ainda uma terceira pessoa que, incialmente, deveria ser apenas conduzida para prestar depoimento. Ele foi preso em flagrante por porte ilegal de arma, mas não teve o nome revelado pelos policiais.

Investigações

Conforme o MPF, as empresas fornecedoras de tubos Apolo Tubulars, que tem sede em Lorena (SP), e Confab procuraram diretores da Petrobras para oferecer pagamento de vantagens indevidas em troca de serem contratadas pela estatal. Os contratos celebrados pelas duas empresas somam mais de R$ 5 bilhões, o que resultou em pagamentos de propinas que passam de R$ 40 milhões.

No caso da Apolo, os investigadores afirmam que a empresa procurou o operador Júlio Camargo, que é delator do esquema de corrupção, e solicitou auxílio para ser contratada pela Petrobrás. Camargo, por sua vez, procurou o então diretor de Serviços Renato Duque, que fez com que o negócio se realizasse.

“Em decorrência disso foram pagos cerca de R$ 6,7 milhões de propina. Parte para o próprio diretor, e parte para o grupo político que o apoiava”, explicou Pozzobon. Desse grupo político, segundo o procurador, fazia parte o ex-ministro José Dirceu, que sustentava a indicação de Renato Duque para um cargo na direção da estatal. Ele já foi condenado a mais de 23 anos de prisão em processo da Lava Jato.

Destes R$ 6,7 milhões, 25% foi direcionado para José Dirceu, o que representa cerca de R$ 1,7 milhão, de acordo com os investigadores. Parte dos pagamentos – R$ 170 mil – foi feito por meio de um contrato da Credencial com a JD Consultoria, empresa do ex-ministro, e o restante foi pago em espécie por Júlio Camargo.

“Os outros 75% é algo que ainda há que se desenvolver. Uma parte desse valor considerável ficava com um operador financeiro. A outra parte chegou a ser destinada para o próprio Renato Duque”, disse Roberson Pozzobon.

É uma extorsão? Não. Foram os próprios empresários que buscaram o pagamento de propina como modelo de negócios”

Roberson Pozzobon, procurador da República

A Confab também procurou Duque, segundo os investigadores, e obteve da mesma forma vantagens em contratos com a estatal. “É uma extorsão? Não. Foram os próprios empresários que buscaram o pagamento de propina como modelo de negócios”, disse o procurador.

Segundo o MPF, entre 2006 e 2012, período em que Duque esteve na Diretoria de Serviços, a Confab manteve 48 contratos de fornecimento de materiais com a Petrobras. Os valores orginais somados desses contratos é de R$ 3,8 bilhões.

No caso da Confab, os valores de propina chegaram a US$ 9,4 milhões e foram recebidos integralmente por Duque, afirmou o MPF. O dinheiro foi repassado por meio de offshores no exterior, conforme revelado pela delação premiada de João Antônio Bernardi Filho.

O portal de notícias da Globo tenta contato as defesas dos investigados.

Credencial

A Credencial já havia sido citada em outra fase da Lava Jato, em que operou o pagamento de R$ 12 milhões de propina em consórcio que tinha como integrantes empresas como a Setal e a Mendes Júnior. As informações fizeram parte da delação de Augusto Mendonça, da Setal Engenharia.

O MPF apontou como evidências da ação de fachada da Credencial o fato de que a maior parte do dinheiro que a empresa recebia era revertida para a conta dos sócios e depois sacada. Além disso, o endereço de registro era a residência de um dos sócios e não haviam funcionários contratados.

“A Credencial era uma empresa entreposta depois, subcontratada pelas contratadas da Petrobras. Não tem nenhum contrato com a estatal”, afirmou Pozzobon.

Escritório

Também é investigado nessa fase o escritório de advocacia Rocha Maia, que recebia pagamentos de uma fornecedora da Petrobras. Segundo o MPF, o escritório repassava esse dinheiro logo em seguida para o grupo de José Dirceu.

O juiz Sérgio Moro afirmou em despacho que a JD Consultoria recebeu, entre novembro de 2011 e janeiro de 2012, R$ 850 mil da Rocha Maia Advogados. O escritório afirmou à Receita Federal que o repasse referia-se ao pagamento por indicação de clientes para ela pela JD Assessoria.

Ainda segundo Moro, os recursos foram depositados na conta do escritório de advocacia pela empresa Interoil Representações. “Isso significa que o escritório de advocacia repassou à JD Assessoria valor muito superior aos aludidos 20% do por ela recebido, tornando inconsistente o álibi apresentado”, avaliou o juiz.

Na entrevista coletiva o MPF afirmou, no entanto, que ainda não é possível sustentar que esses repasses são irregulares.

Apesar disso, os procuradores apontam o fato de que a Interoil declarou condição de inativa em 2010 e não declarou receita no primeiro semestre de 2011. “Ademais, elementos angariados no decorrer das investigações demonstram a ligação da Interoil, outrossim, com um operador financeiro de grande destaque no âmbito da Operação Lava Jato no que respeita aos negócios espúrios mantidos no interesse dos representantes da Diretoria de Serviços da Petrobras, Milton Pascowitch”, apontou o MPF.

“O que há é um indicativo que de que Dirceu recebeu por intermédio de um escritório de advocacia valores na ordem de R$ 1,2 milhão, sendo que eles valores tinham como origem remota a empresa Inter Oil. Ao mesmo tempo em que os depósitos efetuados pela InterOil no escritório de advocacia eram efetuados, o escritório transferia uma parte de valores para o escritório JD consultoria, de José Dirceu”, disse o procurador Roberson Pozzobon.

Área Internacional

Outro alvo desta etapa da Lava Jato era o ex-executivo da Diretoria Internacional da Petrobras Demarco Epifânio, investigado pelo recebimento de propina na contratação de dois navios-sonda para a estatal. Ele deveria ser conduzido para prestar depoimento, mas, segundo a PF, está no exterior.

De acordo com o despacho de Moro, Epifânio participou do grupo que recebia vantagem indevida decorrente os contratos de fornecimento dos navios-sonda e possivelmente da aquisição da Refinaria de Pasadena. Esse fato apareceu no depoimento de três delatores: o lobista Fernando Saores, conhecido como Fernando Baiano; Eduardo Musa, ex-gerente da Petrobras; e Agosthilde Mônaco, ex-assessor da diretoria Internacional a Petrobras.

Por essa razão, o juiz também autorizou o cumprimento de mandado de busca e apreensão nos endereços residencial e comercial de Epifânio, além de decretar o bloqueio dos ativos mantidos em contas e investimentos bancários dele.

Nós vemos uma inércia do Congresso Nacional em aprovar medidas legislativas que possam reverter este quadro [de corrupção]”

Críticas ao Congresso

O procurador Roberson Pozzobon também utilizou a entrevista da 30ª fase da Lava Jato para criticar a demora do Congresso em levar adiante a tramitação dos projetos de lei relacionados às “10 medidas contra a corrupção”.

“Mesmo num cenário calamitoso como esse, nós vemos uma inércia do Congresso Nacional em aprovar medidas legislativas que possam reverter este quadro [de corrupção]. Nós vemos um Estado, um sistema político, um sistema jurídico que deveria estar numa CTI, um Centro de Tratamento Intensivo, mas que por outro lado quase que não há iniciativas legislativas neste sentido.”

Para o procurador, o Congresso está diante de uma encruzilhada em que deve optar entre dois caminhos. “Por um lado, ele pode escolher em ser uma casa de reabilitação e cura pra este sistema corrupto que infelizmente vivemos ou por outro pode ser uma casa leniente, uma casa que aceite a corrupção como regra do negócio público e a cartelização como regra nos certames públicos. Espero que a primeira via seja a adotada”, disse Pozzobon.

Fonte: G1

Rodoviários entram em greve a partir de 0h desta terça-feira

Justiça do Trabalho determinou 80% da frota nas ruas sob pena de multa de R$ 100 mil

image
(Foto: Divulgação)

Rodoviários de Belém, Ananindeua e Marituba decidiram entrar em greve a partir da 0h desta terça-feira (24). A decisão foi tomada em assembleia dos trabalhadores, após não haver acordo com os empresários em duas reuniões ao longo do dia. A justiça determinou a manutenção de 80% da frota de coletivos nas ruas em todos os horários de funcionamento. Caso os rodoviários desobedeçam a determinação, o sindicato estará sujeito a multa diária de R$ 100 mil. A decisão é da desembargadora Francisca Formigosa, que atendeu parcialmente a uma ação cautelar impetrada pela Federação das Empresas de Transportes Rodoviários da Região Norte (Fetranorte).

Pela manhã representantes dos sindicatos dos trabalhadores e do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário de Belém (Setransbel) se reuniram na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) para mais uma rodada de negociação. O Setransbel não apresentou proposta de reajuste salarial aos trabalhadores, que diminuiram sua proposta de 15% para 13% de reajuste. No segundo encontro, ocorrido à tarde, também não houve acordo.

Reivindicações – Além do reajuste salarial de 13%, os trabalhadores exigem aumento do tíquete alimentação para R$ 600, pagamento de adicional de periculosidade a cobradores, motoristas e trabalhadores da manutenção, redução da jornada de trabalho para seis horas diárias, adoção de ponto biométrico pela empresas e a criação de convênio com hospitais e aquisição de ambulância para a melhoria do atendimento médico do rodoviário.

Outro lado

Em nota sobre a negociação com os rodoviários, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belém (Setransbel ) esclareceu alguns pontos. São eles:

A tarifa atual do  transporte coletivo – homologada há 13 meses – não contempla sequer os salários vigentes;

Por conta dessa defasagem , e com base na proposta de reajuste muito acima da inflação apresentada pelos rodoviários, o Sestranbel não dispõe de condições para arcar com tais solicitações da categoria;

Por outro lado, o sindicato, preocupado em manter o serviço a disposição da população, impetrou na Justiça do trabalho medida cautelar que garante a circulação de 80% da frota de Ananindeua e Marituba; e ainda aguarda pela decisão destinada à Belém.

Fonte: ORM News