Ecad divulga lista das músicas mais tocadas em 2016

Sucesso no topo, Aquele 1% é cantada por Marcos & Belutti com participação de Wesley Safadão
(Foto: Divulgação)

O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição – Ecad, divulgou nesta segunda-feira, dia 26, o ranking das músicas mais tocadas em shows em todo o Brasil no ano de 2016.

Com ‘Aquele 1%’, de Benicio Neto e Vinícius Poeta, e ‘Assiste aí de camarote’, de Barros Neto e Jota Reis, no topo, o balanço, feito desde 15 de janeiro até o mês de dezembro, traz as 50 músicas mais tocadas, considerando os shows pagos e distribuídos no período.

1 Aquele 1% Benicio Neto/Vinícius Poeta
2 Assiste aí de camarote Barros Neto/Jota Reis
3 Sosseguei Thallys Pacheco
4 Farra, pinga e foguete Thales Belchior/Paulo Stein/Gustavo Protásio
5 Vai vendo Magno Santana/Flavinho do Kadet/Lucas Lucco/Tierry Coringa
6 Suíte 14 Mauricio Mello
7 Aquele gelo que você me deu (gelo na balada) Barros Neto/Jota Reis/Raniere Mazilli
8 Hoje eu tô terrivel Luiz Henrique Bigato
9 Paredão metralhadora Aldo Rebouças/Tays Reis
10 Vou dar virote Shylton/Gabriel do Cavaco
11 Maus bocados Gerson Gabriel/Rafael/Bruno Varajão
12 Não quero dinheiro Tim Maia
13 Isso cê num conta Rick e Nogueira/Thiago Teg/Douglas Cezar
14 Até você voltar Juliano Tchula/Marília Mendonça
15 Os anjos cantam Magno Santana/Tierry Coringa
16 Meu violão e o nosso cachorro Simaria Mendes/Nivardo Paz
17 O que acontece na balada Nando Marx/Douglas Mello/Flavinho Tinto
18 10 % Gabriel Agra/Danillo Dávilla
19 Jeito carinhoso Allê Barbosa
20 País tropical Jorge Ben Jor
21 Toca um João Mineiro e Marciano Nando Marx/Douglas Mello/Jadson/Flavinho Tinto
22 Sou ciumento mesmo Conde Macedo/Barros Neto/Jota Reis
23 Praieiro Manno Góes
24 Nocaute Samuel Deolli/André Vox
25 Cê que sabe Rafael/Pedro Netto/Kauan/Dudu Borges
26 Não tô valendo nada Henrique Tavares/Juliano
27 Bang Umberto Tavares/Jefferson Junior/Anitta
28 Made in roça Lara Menezes/Dayane Camargo/Ray Antonio/Victor Gabriel/Henrique Batista/Gustavo Martins/Everton Matos
29 Que sorte a nossa Fernando/Luiz Henrique/Paula Mattos
30 Fiquei sabendo Caninana do Forró/Hélio Rodrigues
31 Telefone mudo Franco/Peão Carreiro
32 Amiga parceira Dj Dash/Dh/Mc Menor
33 Lepo lepo Magno Santana/Filipe Escandurras
34 Seu polícia Junior Angelim
35 Asa branca Humberto Teixeira/Gonzagão
36 Logo eu Samuel Deolli/Filipe Labret
37 Baile de favela Mc João
38 Evidências José Augusto/Eurico Freitas
39 Segunda opção Conde Macedo/Barros Neto/Jota Reis
40 Boate azul Benedito Seviero/Tomaz
41 Calma Elcio Di Carvalho/Gustavo/Marília Mendonça/Fred Willian
42 How deep is your love Ina/Luke Mac/22 Lockdown/Calvin Harris/Nathan Duvall
43 Eu só quero um xodó Anastácia/Dominguinhos
44 Devagarinho Delano Axel Silva Amaral
45 Domingo de manhã Bruno Caliman
46 Eva Katamar/Umto/Ficarelli
47 Fui fiel Pablo/Filipe Escandurras/Magno Santana/Fabio O’Brian
48 Novinha vai no chão Ricardinho
49 Na hora da raiva Gustavo Moura/Thiago Servo/Rafael Moura/Cinara Sousa/Matheus Costa
50 Trem das onze Adoniran Barbosa

Fonte: JC Online

Governo do Estado entrega Cheque Moradia a 47 famílias de Ourém

(Foto: Divulgação / Agência Pará)

Cleidiane Maria Vital da Luz, 40 anos, mãe da pequena Maria Clara, de 8 anos, foi uma das moradoras de Ourém, município do nordeste paraense, contempladas com a entrega do Cheque Moradia na tarde desta segunda-feira (26). Com o marido desempregado e a filha diagnosticada com neuropatia, um transtorno neurológico, Cleidiane conseguiu, além do benefício habitacional, uma das três cadeiras de rodas disponibilizadas pelo Governo do Pará.

“As obras da minha casa estão pela metade e eu não tinha condições de concluir porque ainda falta muita coisa. Com esse recurso vou finalmente poder terminar de construir. Pra mim esse cheque foi uma bênção de Deus, não tenho nem palavras para agradecer”, declarou a dona de casa. A entrega aconteceu no Centro de Convivência dos Idosos, que fica ao lado do Salão Paroquial da cidade. A cerimônia de entrega dos benefícios contou com a presença de autoridades locais e do governo estadual.

Foram repassados, ao todo, 47 Cheques Moradia a titulares de famílias que tem entre seus integrantes pessoas com deficiência. Além disso, o governo entregou três cadeiras de rodas, obtidas a partir de uma parceria entre a Companhia de Habitação do Estado do Pará (Cohab) e a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), responsável por avaliar os laudos emitidos pelos moradores que solicitam o benefício ao governo do Estado.

O chefe da Casa Civil, José Megale, representou o governo no evento, junto com a presidente da Cohab, Lene Farinha. “O Cheque Moradia é um dos programas mais extraordinários do Estado porque chega a quem mais precisa de apoio. É o braço amigo do Estado garantindo a melhoria das condições de vida da população mais necessitada”, explicou Megale.

Manoel Machado de Andrade, que requereu o benefício para a filha Maria Deuzilene de Andrade, de 43 anos, que é deficiente física, definiu esse como um dos momentos mais felizes da sua vida. “A casa que nós temos é muito ruim, não tem nenhuma condição. Estou feliz demais porque agora vou poder fazer umas melhorias e construir um banheiro pra ela poder tomar banho direito. Hoje, pra fazer isso, tenho que pegar uma cadeira e colocar no quintal pra dar banho nela. É uma rotina que repetimos há 43 anos. E eu creio em Deus que daqui para o final do ano isso já vai mudar”, comemorou.

Maria Correa Leite, de 40 anos, moradora da Vila do Puraquequarinha, localidade próxima de Ourém, recebeu o Cheque Moradia pelo filho Manoel Leandro Leite, de 19 anos, que tem epilepsia. Trabalhadora do campo, ela explica que esse dinheiro vai ser investido em melhorias na casa. “Temos uma casa, mas ainda é de tábua. Agora vou comprar o tijolo, a telha e o cimento pra fazer um banheiro dentro de casa e um quarto para ele. As pessoas não imaginam o quanto esse programa do governo ajuda a gente.”

Programa – Criado em 2003, o Programa Cheque Moradia beneficia famílias na faixa de renda especifica de três salários mínimos. Os atendimentos especiais destinam-se a famílias em situações de risco ou miséria, vítimas de incêndios e desabamentos. Em 29 de agosto de 2011, por meio do decreto de n° 173, o governo do Estado tornou uma das prioridades do programa o atendimento a pessoas com deficiência.

Desde 2011, após parceria firmada com a Secretaria de Assistência, Trabalho e Renda (Seaster) para esse atendimento preferencial, com a intermediação do Centro Integrado de Inclusão e Cidadania (CIIC), mais de três mil pessoas nessa condição já foram atendidas pelo programa habitacional.

Fonte: Agência Pará

Anunciada as atrações da festa de posse da prefeita Edilma de Garrafão do Norte, PA

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up
(Foto: Divulgação)

No próximo domingo, dia 1º de janeiro de 2017, na cidade de Garrafão do Norte, nordeste do Pará, tomarão posse como prefeita e vice-prefeito do município, Edilma Alves (PSB) e José Almeida (PDT), respectivamente.

A cerimônia oficial dos eleitos  começará a tarde, às 16 horas, no Ginásio Municipal, no bairro dos paraenses, região central da cidade. Logo após a solenidade de posse dos vereadores eleitos, da prefeita e do vice-prefeito, começará a festa que terá os cantores Luann Kassio, Izaias Show, Padre Sidney e a Banda Forró do Bacana como atrações.

Por Madson Sousa

Municípios vão encerrar ano de 2016 endividados

Resultado de imagem para Municípios vão encerrar ano de 2016 endividados
(Foto: Divulgação)

O rombo dos orçamentos púbicos chegou ao elo mais fraco: as prefeituras. Com caixa mais apertado e pouca capacidade de arrecadação, os prefeitos têm lançado mão de várias medidas para fechar as contas: a lista do ajuste municipal inclui desde a demissão de funcionários até a redução do horário de expediente dos órgãos públicos. Mais de 60% das prefeituras vão terminar o ano no vermelho, segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

A deterioração das contas dos municípios, assim como vem ocorrendo com os governos estaduais, tem como pano de fundo a grave crise fiscal que assola o Brasil. Hoje apenas 10% dos 5.570 municípios do País têm arrecadação própria suficiente para bancar suas despesas. Na maioria dos casos, a principal fonte de recursos é o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), composto pela arrecadação do Imposto de Renda (IR) e Imposto sobre Produto Industrializado (IPI). E qualquer corte nesse fundo faz um estrago enorme nos cofres dos municípios.

Pará

O município de Garrafão do Norte, nordeste paraense, vai encerrar o ano de 2016 sobre decreto de calamidade financeira, atrasos de salários e demissões de servidores. A situação econômica do País foi o motivo alegado pelo atual prefeito, Antônio Profiro (PMDB), para a decisão.

Em Brasil Novo, no sudoeste do Pará, a crise financeira prejudicou vários setores, entre eles os profissionais da educação, que ainda não receberam os salários. A prefeitura estaria endividada pelos próximos cinco anos. Entre as dívidas acumuladas, a maior é junto ao INSS, que soma mais de R$ 14 milhões .

Por Estadão e G1 com adaptações

Pará tem 112 focos de queimadas em dezembro

Resultado de imagem para Pará tem 112 focos de queimadas em dezembro
(Foto: Divulgação)

Dados divulgados pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) nesta segunda-feira (26) apontam que, no período de 15 a 25 de dezembro de 2016, o Pará obteve 112 focos de queimadas, distribuídos em 39 municípios paraenses.

De acordo com a Semas, o alto risco de fogo ficou na região sudeste, principalmente próximo ao município de Marabá. Neste período, os municípios que obtiveram maiores registros de focos de queimadas foram: Viseu (14 focos), Augusto Corrêa (12 focos) e Pacajá (7 focos).

Segundo a Semas, queimadas provocadas em florestas é considerado um crime ambiental. Conforme consta no artigo 50 do Decreto Federal 6.514/2008 incorre em infração destruir ou danificar florestas ou qualquer tipo de vegetação nativa ou de espécies plantadas sem autorização ou licença da autoridade ambiental competente, resultando em multas a partir de R$ 5 mil por hectare.

Fonte: G1

Atraso do 13º salário motiva protestos no interior do Pará

Resultado de imagem para Atraso do 13º salário motiva protestos no interior do Pará
(Foto: Reprodução)

O atraso no pagamento do 13º salário de servidores municipais motiva protestos no interior do Pará. Uma pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios afirma que 33% das prefeituras do estado passam por dificuldades financeiras e estão com as contas atrasadas.

No município de Inhangapi, no nordeste do estado, servidores ocuparam a sede da Prefeitura nesta quarta-feira (21) em um protesto contra a falta do pagamento, que deveria ter sido feito até quarta (20). Os manifestantes desocuparam o prédio foi desocupado após um acordo com a Prefeitura, que prometeu depositar o 13º salário ainda nesta quarta.

Em Marapanim, também no nordeste do Pará, professores protestaram no prédio da Secretaria Municipal de Educação. A prefeitura do município informou que começou a pagar o 13º salário na terça-feira (20) e deve concluir o pagamento de todos os servidores até o fim de dezembro.

Em Ipixuna do Pará, funcionários públicos fecharam a rodovia BR-001 na entrada da cidade, durante um protesto contra atrasos nos pagamentos. A manifestação resultou em um congestionamento de cerca de quatro quilômetros na rodovia. A Prefeitura de Ipixuna do Pará não se manifestou sobre o protesto.

Segundo a pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios, nem o repasse extra de 1% do Fundo de Participação dos Municípios foi suficiente para muitas das prefeituras paraenses, que não conseguiram quitar o 13º salário dos servidores.

“A questão desse 1% (do fundo) que os municípios receberam agora, parece até um percentual pequeno, mas ele representa muito. Mesmo com esse reforço que os municípios estão tendo, eles têm dificuldades de fechar suas contas”, afirma Josenir Nascimento, diretor da Federação das Associações de Municípios do Estado do Pará (Famep).

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) afirma que os gestores podem ser punidos pelos atrasos. “Existe uma perspectiva de que, até o dia 30 de dezembro, os municípios recebam mais uma parcela que é equivalente às multas dessa verba de repatriação, dinheiro do exterior que foi repatriado para o Brasil”, diz Cezar Colares, presidente do TCM.

Para Colares, a verba pode ajudar a quitar os débitos em atraso. “Então alguns municípios, até os menores, estão previstos a receber em torno de R$ 380 mil, recursos que poderão ser usados para completar a folha de pagamento dos servidores”, explica o presidente do TCM.

Para o desembargador da Justiça do Trabalho Vicente Malheiros, a crise econômica não pode ser usada como única justificativa para os atrasos. “Muitos municípios não fazem concurso, eles incham o seu pessoal, muitas vezes por indicação política, e o servidor é irregular, que vulgarmente se chama ‘temporário'”, opina o desembargador.

Fonte: G1

No Natal não neva

Imagem relacionada
(Foto: Divulgação)

Aos 23 anos de idade nunca vi nevar a não ser por meio da televisão e internet. E isso é de certa forma comum, pois a maioria dos brasileiros nunca viram. Mesmo assim, temos um conceito de natal diferente da nossa realidade, prova disso são nossas árvores (pinheiros sintéticos) com neve de isopor usada na decoração, as meias e os agasalhos que enfeitam muitas casas brasileiras, entre outros.

Somos um país predominantemente tropical, ainda que haja poucos registros de pequenas nevascas, principalmente no estado de Santa Catarina. Os registros de neve no Brasil sempre foram no período de abril a outubro, portanto bem distantes do Natal. Mas como surgiu a ideia de que no natal neva ?

Acontece que entre 21 e 22  de dezembro no hemisfério sul temos o inicio do verão, enquanto do outro lado do mundo no hemisfério norte temos o inicio do inverno. O que só confirma o caráter dúbio da situação. Outro elemento é a presença da figura do papai noel, personagem historicamente de origem turca onde costuma nevar, mesmo sendo uma data de celebração do nascimento de Jesus para os cristãos.

O Brasil não é o único país no mundo a sofrer fortes influências dos países mais ricos e desenvolvidos como por exemplo, dos Estados unidos. Essas influências são tamanhas a ponto de fazer o mundo abraçar um velhinho em um agasalho vermelho que apareceu pela primeira vez em uma campanha de Marketing da Coca-cola como símbolo do natal. Mesmo lançada no final do seculo XIX é até hoje um dos garotos propagandas da marca.

Mas e a neve? Muitas pessoas acreditam que no hemisfério norte do planeta é mais frio que o sul e isso não está exatamente certo. Acontece que existem mais terras no norte do Equador e elas são bem próximas dos polos, dessa forma existe uma maior quantidade de países onde a neve é mais propícia.

Assim como o Brasil, os Estados Unidos apresenta uma grande área de terras e clima variado, mas por lá em muitas regiões neva e o país que vende sua cultura ao mundo criou a ideia de que no natal neva, mesmo que em muitos dos seus estados nunca nem tenha nevado.

Em muitas regiões do Brasil, os brasileiros comemoram a chegado do verão com suas casas enfeitadas com neve falsa, enquanto na região norte o mês de dezembro é o inicio do inverno amazônico (período chuvoso com temperaturas de 21°c a 30ºc). Quanto mais distante do equador menores as chances de se ter neve. Na região norte do Brasil, essas chances são quase nulas, independente da data. Por tanto, no natal do Brasil não neva, no máximo deveríamos enfeitar nossas árvores com pedrinhas de gelo.

Por Emanuel Bonfim